Domingo, 25 de Setembro de 2022
Geral GOLPE

Golpistas no whatsapp usam fotos de médicos para furtar familiares da vítima no Piauí

Após algumas trocas amistosas de mensagens, os criminosos solicitam que os familiares atualizem o número de contato.

12/07/2020 às 11h19
Por: admin
Compartilhe:
Golpistas no whatsapp
Golpistas no whatsapp

O delegado Anchieta Nery, titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), usou as redes sociais neste sábado (11) para alertar as pessoas sobre um novo golpe praticado por criminosos pelo WhatsApp no Piauí, que faz vítimas desde o mês passado. Agora, os golpistas usam fotos de médicos e demais especialistas da área da saúde para pedir dinheiro aos familiares e amigos dos profissionais.

Anchieta Nery explica como o golpe acontece. “Para realização do estelionato, os criminosos utilizam diversos números de WhatsApp e ostentam fotos de médicos e dentistas em seus perfis, e então contatam os familiares de tais profissionais, por meio de mensagens no mesmo aplicativo, nas quais os criminosos afirmam que são aquelas pessoas das fotos e que haviam mudado o número de WhatsApp”.

“Após algumas trocas amistosas de mensagens, os criminosos solicitam que os familiares atualizem o número de contato. Em seguida afirmam que necessitam pagar alguma dívida e estão sem acesso ao app (aplicativo) do Banco no momento. Desta forma, as vítimas acreditam nos pedidos e realizam as transferências bancárias, acreditando estar falando com seus familiares”.

Quanto mais o criminoso envolve a vítima maiores poderão ser os pedidos de transferências. “A quantidade do valor que os estelionatários irão tomar depende do envolvimento com a vítima, do poder aquisitivo da vítima. Eles têm escolhido profissionais da saúde porque são pessoas geralmente de poder aquisitivo maior (que outras). Em média, eles pedem uma transferência de R$ 2 mil até uns R$ 5 mil, mas quando a pessoa faz uma primeira transferência eles insistem em uma segunda, terceira transferência. Enquanto o familiar for acreditando eles vão pedindo transferência”.

Anchieta Nery ressalta que Policias Civis de vários estados já têm trocado informacões para a repressão adequada a esse crime. Até o momento, a investigação já apontou para uma organização criminosa com membros de dentro do sistema prisional.

“No Piauí nós já tivemos vítimas em Teresina e do interior do estado. Algumas vítimas já procuraram a Polícia Civil. Entramos em contato com a Polícia Civil de outros estados e iniciamos a investigação, que já apontou o disparo das mensagens. Nós temos uma organização criminosa em que cada (membro) tem o seu papel: alguns são responsáveis em montar a engenharia do golpe, outras por buscar os dados da pessoas para quem enviar as mensagens. O disparo dessas mensagens, o ‘trabalho braçal’, a ‘linha de produção’, parte de unidades prisionais de outros estados, como sudeste e  centro-oeste”.

Na postagem, o delegado ressalta que:

1- Nesse golpe não há hackeamento da conta de whatsapp da pessoa por quem estão se passando;

2- Os criminosos escolhem se passar por profissionais da saúde que têm perfil aberto no Instagram, pois a partir disso obtém as fotos para usar no perfil falso.

 

Carlienne Carpaso

cidadeverde.com

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.